(14) 99616-0299 contato@dinamicaej.com.br UEM - Maringá/PR

Metodologias de Gestão: Saiba como utilizar e quais os benefícios

Metodologias de gestão consistem em um conjunto de estratégias e medidas que devem ser tomadas para melhorarem a eficiência e a qualidade dos processos e projetos gerais do negócio.

O número de projetos vigentes dentro das empresas tem crescido cada vez mais, e por isso, tornou-se imprescindível que os gestores adotem novas medidas de gerenciamento para conseguirem uma melhor organização.

Sendo assim, tem surgido muitas ferramentas inovadoras que prometem auxiliar nesses processos, de modo a garantirem orientações de qualidade e promoverem bons resultados.

Basicamente, essas novas metodologias consistem em estratégias de gerenciamento que visam aumentar a eficiência de todos os processos que ocorrem dentro das empresas.

Para obter os resultados expressivos desejados, é necessário conhecê-las e adotar a que mais se adequa a sua empresa. Portanto, confira o conteúdo para ficar por dentro de metodologias de gestão imperdíveis!

OKR

A sigla OKR advém do inglês “Objectives and Key-Results” que significa “Objetivos e Resultados-Chave” e surgiu através de Andrew Grove, ex-CEO da Intel e ficou conhecida quando foi utilizada pela Google em 1999.

A metodologia, que tem como principais características a simplicidade e a flexibilidade, busca ter uma abordagem mais simples com o objetivo de definir metas e alinhamentos com base nos resultados da empresa, atuando como uma ferramenta de comunicação interna e integrando as equipes através da cultura organizacional da empresa.

E como funciona essa metodologia?

De forma geral, cada OKR é como um conjunto de objetivos claros e ambiciosos que se inter-relacionam para contribuir para o objetivo macro da empresa e eles podem ser atingidos de forma individual ou coletiva.

Para isso, todos os membros devem ter conhecimento sobre suas metas e saber como alcançá-las, pois serão mensurados a cada trimestre pelas “Key-Results”, por exemplo.

Como benefício, a OKR pode proporcionar agilidade nos ciclos das metas, engajamento dos colaboradores, transparência entre os times, assim como a autonomia e responsabilidade dos mesmos, foco e disciplina. Em resumo, pode elevar a produtividade e reduzir a tensão no ambiente de trabalho.

Como implementar a metodologia OKR?

Primeiramente definir o que deseja alcançar, ou seja, o objetivo macro da organização em um tempo de um ano. Em seguida, definir quais os objetivos mais relevantes, sendo eles mais curtos e inspiradores com o intuito de estimular os colaboradores a pensar de forma pontual, tendo prazos de conclusão e responsáveis.

Após essa etapa, deve-se determinar de que forma o progresso será medido, em outras palavras, definir os “Key-Results” quantitativos e mensuráveis, sendo de dois a cinco para cada objetivo.

Tendo esses pontos definidos, é hora de dividir as tarefas entre equipes de acordo com a capacidade de execução cada uma, levando em consideração os níveis organizacional, departamental e individual.

Em geral, os OKR’s são traçados em trimestres. Contudo, é possível planejar de acordo com a realidade da empresa, podendo ser mais que três meses.

Porém, é recomendado dividir em marcos menores para que se possa acompanhar de forma mais assertiva os resultados. Ao fim de cada OKR, é importante refazer o planejamento para que novas oportunidades possam ser analisadas e evoluídas.

É importante ressaltar é necessidade da transparência com os colaboradores a respeito das metas, pois assim os mantém engajados a conseguir melhores resultados.

BSC

Conhecida como o modelo de gestão estratégica, a metodologia BSC também pode ser chamada de “Balanced Scored”, que traduzindo significa “Indicadores Balanceados de Desempenho”.

Tal modelo foi criado nos anos 90 em Harvard por dois professores com o intuito de enxergar de forma balanceada todas as métricas da empresa, não só indicadores financeiros e contábeis, agrupadas estrategicamente e com uma relação de causa e efeito entre elas através de quatro perspectivas, sendo elas:

  • Perspectiva financeira: Quais são os objetivos financeiros de curto, médio e longo prazo, considerando as expectativas dos investidores. Ex: ROI, ticket médio, CAC, LTV, entre outros;
  • Perspectiva dos clientes: Qual o motivo dos esforços, relacionamento com os clientes e participação no mercado. Ex: Aquisição, retenção, lucratividade;
  • Perspectiva dos processos internos: Quais processos mais impactam a organização e melhorá-las até a excelência. Ex: Produtividade, inovação, atendimento ao cliente, etc;
  • Perspectiva do aprendizado e crescimento: O aprendizado da empresa, o conhecimento e experiência necessária para atingir as metas. Ex: Capacitações, treinamentos, iniciativas de satisfação, clima organizacional.

Pensando no somatório de todas essas visões, se bem aplicadas aos processos da empresa, podem alavancar o desempenho da mesma no mercado, trazendo os resultados esperados, pois promove o alinhamento dos objetivos estratégicos com indicadores de desempenho, metas e planos de ação.

Além de poder proporcionar uma visão clara e intuitiva do planejamento, um aperfeiçoamento contínuo e a integração entre indicadores tangíveis e intangíveis.

E como eu aplico essa metodologia?

A aplicação desta metodologia é simples como a Análise SWOT, onde um quadro resumo é dividido em quatro partes, contendo em cada uma delas uma perspectiva e seus respectivos elementos que são objetivos, indicadores, metas e plano de ação, preenchendo um a um.

É importante realizar o processo junto com todos os colaboradores, pois isso torna o processo mais claro e pode ser trabalhado constantemente pela comunicação interna, engajando as equipes.

Em seguida, os objetivos devem ser fixados para que se possa alocar os recursos necessários para a execução do planejamento estratégico. Ademais, é recomendado dar feedbacks para o crescimento e aprendizado dos envolvidos.

Para conhecer ainda mais metodologias, baixe nosso e-book gratuito sobre Metodologias Ágeis preenchendo o formulário abaixo!

GPD

O Gerenciamento por Diretrizes (GPD) é um dos fundamentos da gestão da qualidade total e trata de desdobramentos das diretrizes anuais em metas e ações a serem tomadas pelos níveis da empresa.

Em outras palavras, ela pode ser vista como uma alternativa para otimizar a implementação da estratégia, onde esse desdobramento entre várias diretrizes leva ao objetivo final e ela pode ser aplicada desde o operacional até a alta administração, envolvendo todos os colaboradores.

As atividades dos membros e o batimento de metas fazem a estratégia funcionar. Diante disso, é de suma importância que os colaboradores, gerentes e supervisores saibam como agir e o porquê.

Para selecionar as metas de cada membro, é fundamental ter uma ampla visão dos riscos e oportunidades que podem ser analisados com a Análise SWOT, assim como o ciclo PDCA é um ótimo aliado para complementar a metodologia.

O GPD é composto por três pilares:

  • Acreditar que os resultados são diretamente ligados à dedicação e ação dos envolvidos;
  • Incentivar a inovação contínua;
  • Garantir que as mudanças produzidas realmente aconteçam;

Dois sistemas de gerenciamento:

  • Gerenciamento interfuncional;
  • Gerenciamento funcional;

E pode ser elaborado em três planos diferentes:

  • Plano anual;
  • Plano de médio prazo;
  • E plano de longo prazo;

Como aplicar essa metodologia?

Para dar-se início ao processo, deve-se elaborar um quadro resumo das metas para ser validado e sendo aprovado, é compartilhado e alinhado com os demais colaboradores da empresa.

Em seguida, realiza-se a segmentação dos itens de controle através do Plano de Medidas, verificando a necessidade de ações para o atingimento da meta.

Assim como ocorre o preenchimento do plano de ação, a necessidade de interfuncionalidades também é analisada a partir do formulário Matriz de Interfuncionalidade.

Nesse momento, há a negociação com as áreas envolvidas sobre condições e prazos das metas, sendo feito até o último nível gerencial. Assim, cada nível hierárquico da organização deve executar e atualizar seus planos de ações, mantendo a equipe sempre informada.

Por fim, mas não menos importante, tem-se o seguimento do calendário anual de reuniões periódicas e nelas é feito o acompanhamento e análise dos itens de controle, de verificação, o progresso dos planos de ações assim como as reflexões do mês anterior.

Dessa forma, o alcance de resultados e metas, organização da gestão e ritmo, melhores planejamentos e maiores mudanças, clareza e objetividade de trabalho são alguns dos benefícios que podem ser obtidos com a aplicação do Gerenciamento por Diretrizes.

Conclusão

Por fim, podemos perceber que ter um gerenciamento bem estruturado com certeza trará resultados muito expressivos para os projetos da empresa. Com uma demanda cada vez maior, é muito importante buscar métodos inovadores para manter a concorrência frente ao mercado.

Desse modo, caso queira desenvolver um gerenciamento estratégico para sua organização, nós da Dinâmica Consultoria podemos te ajudar! Oferecemos um serviço de Planejamento Estratégico, o qual visa traçar metas e indicadores para analisar o progresso do negócio.

Além disso, tem como finalidade promover uma visão analítica aos gestores da empresa, além de estimular o trabalho em equipe! Para saber mais, você pode acessá-lo aqui!

Sendo assim, não deixe de investir em novas metodologias de gestão! Não se esqueça de baixar nosso e-book gratuito sobre Metodologias Ágeis clicando aqui.

Caso tenha ficado com alguma dúvida, entre em contato conosco para que possamos traçar estratégias juntos!

Por: Leticia Daudt

13 / 103

Deixe uma resposta

Required fields are marked