médicos em cirurgia

Introdução ao Lean Healthcare

A fim de facilitar o seu entendimento sobre Lean Healthcare e como ele pode ajudar o nosso país durante a pandemia pela qual estamos passando, vou explicar-lhe, rapidamente, o que é o Lean Manufacturing.

O Lean Manufacturing

O Lean Manufacturing é uma metodologia de produção surgida no Japão pós 2ª Guerra Mundial que tem, como objetivo principal, a redução dos desperdícios nas empresas. O alcance desse objetivo implica vários ganhos significativos dentro das empresas. Dentre esses ganhos, temos: aumento da produtividade, diminuição dos gastos e aumento da satisfação dos clientes.

Essa metodologia, também é conhecida como “Produção Enxuta” – tradução para o português de “Lean Manufacturing” – utiliza tanto técnicas analíticas, quanto empíricas para traçar planos de ação que satisfaçam o objetivo final, a redução de desperdícios. Eu poderia falar um pouco mais de como o Lean Manufacturing pode ser implementado nas empresas, no entanto o objetivo desse conteúdo não é falar de Lean Manufacturing e, sim, de Lean Healthcare.

Mas fique calmo, se você quer um conteúdo sobre o Lean Manufacturing, eu vou  direcioná-lo para o nosso conteúdo. Clique aqui – Lean Manufacturing: reduzindo desperdícios.

O Lean Healthcare

Bom, sem mais delongas, vamos começar a falar sobre o Lean Healthcare. Essa metodologia, como pode se perceber já pelo nome, originou-se do método japonês. Porém, diferentemente deste, ela surgiu já no século XXI, mais precisamente no ano de 2002, e bem longe do território japonês. Suas primeiras aplicações foram em hospitais (sim, hospitais, daí o complemento “Healthcare”) americanos, ingleses e canadenses.

Assim como o Lean Manufacturing, o Lean Healthcare também apresenta alguns objetivos principais que, não por acaso, são bem parecidos com o lean aplicado nas empresas. A meta com a utilização da metodologia lean nos hospitais é alcançar o equilíbrio no tripé da saúde. Esse tripé e constituído pelos seguintes princípios: saúde da população, custo per capita e experiência do cliente.

 

Situação do Sistema de Saúde do Brasil

Estamos passando por um momento extremamente complicado e crítico enquanto nação e enquanto mundo. Enfrentando inúmeras dificuldades frente à pandemia da COVID-19. Vivemos tempos de isolamento social, escassez de recursos em pontos de abastecimento e falta de leitos para atender os doentes nos hospitais.

Porém, antes de analisar como está o Brasil e o mundo hoje, vamos olhar um pouquinho para trás e analisar como era o sistema de saúde brasileiro antes do país ser impactado pela pandemia atual.

Quando falamos de sistema público de saúde, sempre nos vem a cabeça a imagem de grandes filas, falta de leitos, falta de médicos, diagnósticos errados (sem generalizar), grande tempo de espera nas filas de transplantes, grande intervalo de tempo para início de alguns tratamentos, entre outros problemas que não cabe a nós ficarmos discutindo sobre.

Agora, queria que você analisasse todos os pontos que acabei de citar sobre o sistema de saúde brasileiro com o tripé da saúde que te apresentei. Além disso, gostaria de te perguntar, você acha que esse tripé está sendo satisfeito? Exatamente, não.

Quando falamos de grandes tempos de espera, diagnósticos errados e falta de leitos, estamos indo totalmente contra os princípios de assegurar a saúde da população, diminuição do custo per capita e experiência do cliente.

Lembre-se, estamos falando de como ERA a situação do sistema de saúde brasileiro antes da pandemia do coronavírus chegar até o Brasil. E agora, como está o sistema de saúde brasileiro?

 

O caos atual

A chegada da doença ao Brasil

Desde o fim do ano de 2019, viemos acompanhando o crescimento de uma, até então, epidemia local na China. Algumas pessoas, muito provavelmente, podiam pensar que está “doença” nunca chegaria até o Brasil. Outras podiam até temer que o vírus chegasse aqui devido ao nosso sistema de saúde.

Pois é, a epidemia do final do ano de 2019 tornou-se uma pandemia mundial e chegou ao Brasil no início de 2020. Tendo como principal característica a sua fácil transmissão, a OMS decretou que os países deveriam adotar o isolamento social. As pessoas só deveriam sair de casa no caso de extrema necessidade.

Creio que você já imagina como o sistema de saúde brasileiro está reagindo a isso, certo? Se antes, ele já apresentava todos aqueles pontos, agora, isso foi agravado.

Situações críticas

Meu objetivo aqui não é ficar falando mal do sistema de saúde brasileiro, muito pelo contrário, mas é mostrar para você como o Lean Healthcare pode ajudar não só o Brasil, mas o mundo. Antes de partirmos para seção de como a metodologia lean pode auxiliar o sistema de saúde nesse período tão turbulento, vou levantar alguns pontos críticos do COVID-19.

Adotamos o isolamento social para que o número de contaminados pelo vírus fosse menor, certo? Mas o que acontece se uma pessoa portadora do vírus receba um diagnóstico “negativo para COVID-19”? Provavelmente, essa pessoa irá transmitir o vírus para outra pessoa. Pense no que acontece com aquela pessoa que necessita de cuidados médicos e vai até o hospital em busca desses cuidados, mas, por conta da quantidade de pessoas que lá estão, permanece na fila de espera por um longo tempo, aumentando as suas chances de contágio.

Esses são apenas dois pontos de situações que aconteciam e continuam acontecendo Brasil, erro de diagnóstico e tempo de espera. Agora vou te contar como o Lean Healthcare pode ajudar os sistemas de saúde diante dessa pandemia.

 

Tirando o Lean Healthcare do papel

Para que o Lean Healthcare faça sentido, ele deve fazer com que o tripé da solidariedade seja atendido. Ou seja, fazer com que a qualidade da saúde da população seja boa, que o custo per capita seja baixo e que o paciente tenha uma boa experiência – mesmo sendo em um hospital.

Possíveis Medidas

Há diversas práticas que podem ser adotadas para que os problemas sejam solucionados. Há tanto práticas simples e baratas, quanto investimentos em automação (Hospital 4.0).

Talvez um dos métodos mais simples e fáceis de ser aplicado é o mapeamento do fluxo de valor. Esse processo consiste em mapear, de forma sistêmica, os processos internos de uma unidade hospitalar, um postinho ou um consultório. Dessa forma, é possível entender o processo e analisá-lo para sabermos onde que é o gargalo dessa operação, quais atividades podem ser cortadas desse processo e onde os erros estão acontecendo.

Tendo o entendimento sistêmico, é possível realizar vários planos de ação. A aplicação de um programa 5s, por exemplo, pode auxiliar na organização de documentos e laudos médicos, o que implicará na redução de resultados errados, por exemplo.

Da mesma maneira, também podemos rodar um evento Kaizen no setor de onde estão originando-se a maior parte dos erros. Com ele,  planos de ação estratégicos são tomados visando a redução desses erros e atendimento ao tripé da saúde.

Resultados

Algumas dessas práticas podem diminuir os erros de diagnósticos e isolando as pessoas infectadas pelo vírus, no caso do COVID-19, e, dessa forma, diminuindo as chances de contaminação. Além disso, o tempo de diagnóstico e o tempo de espera nas filas dos hospitais podem ser diminuídos da mesma forma.

Dessa forma, quanto mais eficiente for o sistema de saúde, maiores são as chances de diagnosticar uma pessoa portadora do COVID-19 e, consequentemente, diminuir o contágio de outras pessoas.