A história da liderança é muito antiga. Teve seu início com o surgimento da civilização, na Mesopotâmia, com a necessidade de viver em conjunto com outros indivíduos, formando assim uma sociedade com um objetivo em comum, orientada e mobilizada em prol desse objetivo.


E é nítido que no mundo atual as empresas que mais prosperam e se destacam no mercado são as que possuem lideranças de muita credibilidade. Mas como essas pessoas se tornaram líderes exemplares dessa maneira? Será que elas nasceram líderes? A liderança delas é um dom? É bem provável que todos já ouviram aquela frase: “Essa criança é um líder nato.” Isso é comum, muitas pessoas costumam fazer essa afirmação. Mas de uma coisa elas podem ter certeza, ninguém nasceu líder, a liderança não é um dom, todos que em algum momento se tornaram líderes exemplares, despertaram e desenvolveram essa habilidade durante a sua vida. É óbvio que existem pessoas com pré-disposição para essa habilidade, com uma facilidade gigantesca nesse quesito, porém, em algum momento do seu desenvolvimento ela aprendeu a portar-se como um líder. E, como intuito desse artigo, serão expostas algumas formas de fomentar e desenvolver lideranças em nosso dia a dia.

A formação de lideranças no mundo atual é de extrema importância para a sobrevivência das empresas. A concentração de conhecimentos a respeito da empresa em poucas pessoas pode resultar em desaparecimento dos mesmos quando essas não estiverem mais aptas a trabalhar. E é por isso que deve haver a preocupação de desenvolver essa habilidade tão poderosa que é a liderança!

Segundo Bennis & Nanus (1988), a liderança não se relaciona com a posição hierárquica ou com a função exercida. Ser líder não é intrínseco ao cargo que você exerce. Segundo John C. Maxell, em seu livro “O Líder 360°”: 99% de toda a liderança vem do escalão médio das organizações; ou seja, a liderança não necessariamente está concentrada na alta gerência. Porém, sabe-se que os que exercem cargos mais altos também devem ser bons líderes.

E para que seja possível despertar e desenvolver essa habilidade, é necessário começar de forma simples, mas muito eficaz: A liderança por exemplo! Como cobrar algo de alguém se você acaba não dando o melhor exemplo para ele? Viva os valores da sua empresa de maneira que transpareça aos demais. Seja o exemplo na rotina diária, servindo como espelho.

Segundo um estudo dos professores da Harvard Bussines School, existem 3 características de uma liderança com foco em resultados:
1) Capacidade de tomar decisões rápidas;
2) Capacidade de se adaptar a mudanças;
3) Disciplina e resultados no dia a dia.

Encontre maneiras de proporcionar aos seus colaboradores atividades que exijam tomadas de decisões rápidas. Dê a eles autonomia para isso, pois só assim poderão desenvolver-se. Se eles errarem, serão responsabilizados por isso, mas transfira a responsabilidade e confie. Errar algumas vezes é normal, desde que haja aprendizado e compreensão no processo. Isso exige que mudanças sejam realizadas, e é nesse aspecto que o poder de adaptação é crucial. Mudanças muitas vezes são encaradas como problemas, mas deve-se olhar para elas como oportunidade de melhoria e fazer de forma melhor o que era feito antes. Todos os segmentos de mercado sofreram mudanças desde a sua origem, isso é normal e necessário. Por último, mas não menos importante, proporcione desafios que exijam muita disciplina buscando resultados diariamente. Trabalhe com seus colaboradores formas de meritocracia, promovendo e destacando os que obtiverem os melhores resultados.

Proporcione também capacitação aos seus liderados. Invista em treinamentos e cursos. Contrate serviços de coaching para potencializar esse processo. E por fim, faça um mapeamento de características e competências exigidas por cargos de liderança que existem em sua empresa, tais como: inteligência emocional, autoconhecimento, visão sistêmica, conhecimento dos processos, resiliência, saber lidar com diferentes pessoas e coerência com as atitudes. Deixe explícito que tais habilidades são muito importantes para o desenvolvimento da pessoa, e caso sejam desenvolvidas, exigirá menos esforço de aprendizagem e trará resultados mais significativos de forma mais rápida.

Autor: Lucas Volponi